Como marcas próprias podem trazer benefícios para o seu negócio

Na década de 70, o conceito de marcas próprias surgiu, aqui no Brasil, como uma referência a produtos genéricos. Sem sequer levar o nome do fabricante e com pouca qualidade percebida, os preços baixos eram o principal — senão único — diferencial das mercadorias. De lá para cá, esse mercado se desenvolveu acompanhando mudanças nos

INFO

Na década de 70, o conceito de marcas próprias surgiu, aqui no Brasil, como uma referência a produtos genéricos. Sem sequer levar o nome do fabricante e com pouca qualidade percebida, os preços baixos eram o principal — senão único — diferencial das mercadorias. De lá para cá, esse mercado se desenvolveu acompanhando mudanças nos hábitos de consumo e investiu em qualidade, embalagem, preço e valor agregado. 

Agora, as marcas próprias assumem papel de protagonismo. Elas dividem espaço nas prateleiras com produtos de indústrias líderes e evoluem no relacionamento com consumidores, comunicando atributos e posicionamentos cada vez mais atrativos. Mas, afinal, qual é o atual cenário e as expectativas sobre esse mercado? E qual é o papel do design nessa história? Descubra neste artigo! 

Exclusividade traz benefícios para varejistas

Na teoria, marcas próprias se referem a qualquer produto (ou serviço) fabricado e vendido com exclusividade por uma empresa. Você certamente sabe do que estamos falando: o arroz que leva o selo do supermercado, a linha de artigos para casa de uma marca de fast fashion ou os itens de higiene pessoal que só são encontrados em uma rede de farmácias específica.

Mas, na prática, vai muito além. Produtos exclusivos são uma oportunidade para o varejo em diversos sentidos: ter maior participação no mercado, aumentar lucros, reduzir a dependência em relação à indústria e ganhar total controle sobre a cadeia produtiva. 

Marcas próprias geram oportunidade de fidelização

Em contato direto e constante com consumidores, varejistas têm a seu favor dados valiosos sobre comportamentos de compra. Assim, podem criar soluções personalizadas para atender a públicos específicos. E isso significa, a médio e longo prazos, fidelização. 

Afinal, quando um produto agrada e atende às expectativas de uma pessoa, a tendência é que ela compre novamente. Prova disso é que, de acordo com a Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização (Abmapro), os 20% dos consumidores que mais compram marcas próprias, no Brasil, são responsáveis por 77% dos gastos totais do segmento.

Valor agregado em tempos de crise

De um lado, consumidores cada vez mais exigentes e empoderados em relação às marcas que consomem — especialmente millennials e a geração Z, que nasceram entre as décadas de 80 e 2010. De outro, a crise do coronavírus — que traz diversas incertezas, inclusive econômicas, e vem influenciando diretamente os hábitos de consumo. 

Entre eles, estão as marcas próprias: uma alternativa que ganha força ao oferecer a esse público valor e qualidade a preços acessíveis. Afinal, nos últimos anos, conceitos como inovação, sustentabilidade e bem-estar dos clientes vêm sendo, cada vez mais, adotados pelo segmento, a fim de atender às expectativas desses consumidores.

Mercado em expansão

Não é por acaso que o mercado de marcas próprias promete avançar significativamente no Brasil. Em 2019, a expectativa era de um crescimento de 10,5% na rentabilidade do setor, segundo a Abmapro. Para 2020, o aumento esperado é ainda maior: 12,5%. 

Nos últimos anos, inclusive, novos segmentos têm ampliado a oferta e as vendas desses produtos no Brasil. As farmácias, por exemplo, ocupam uma posição de destaque. O estudo “Panorama das Marcas Próprias do Varejo”, da Nielsen, apontou que o faturamento das drogarias com marcas próprias aumentou 7,7 vezes entre 2010 e 2018. E só entre 2017 e 2018, o crescimento chegou a quase 20%. 

O design de embalagens como ferramenta estratégica

Em um mercado cada vez mais competitivo, o desenvolvimento de marcas próprias torna-se estratégico para o varejo. E o design assume papéis fundamentais nesse cenário. Afinal, as embalagens são o ponto de contato imediato entre marcas e consumidores. Isso significa que, muito além de diferenciar o produto através de uma identidade única, o design tem a responsabilidade de comunicar posicionamentos e atributos das marcas próprias. 

O case Terroirs Du Monde 

A rede de supermercados Carrefour encontrou nas embalagens de sua linha de vinhos Terroirs Du Monde uma solução para comunicar o caráter inovador do produto e aumentar o seu valor agregado para o público.

Na contramão das indústrias da categoria, que costumam priorizar a tipografia ao invés das imagens em seus rótulos, a linha do Carrefour destaca nas gôndolas ilustrações que simulam cartões-postais representativos dos países de origem dos vinhos. Esse design, além de diferenciar os produtos, foi estratégico para solucionar a dificuldade que o público leigo, sem referências sobre a bebida, enfrenta ao escolher o rótulo que levará para casa.
O case Terroirs Du Monde representa bem o potencial do mercado de marcas próprias. São dados, estratégias e oportunidades que podem ser aplicados para construir soluções e relacionamentos que trazem benefícios a longo prazo para varejistas e seus públicos. Curtiu o artigo e quer descobrir ainda mais sobre esse universo? Produzimos um infográfico gratuito com vários conteúdos relevantes sobre marcas próprias para inspirar você!