Como a inclusão pode fazer o design ser ainda mais inovador?

Quantas vezes você já ouviu que o design é uma área de solução de problemas? Provavelmente muitas, não é mesmo? Mas se isso é uma verdade – e nós acreditamos que seja – a inclusão deve ser uma das prioridades, concorda? Afinal, garantir e encorajar a participação política, econômica, social e cultural de pessoas que

INFO

Quantas vezes você já ouviu que o design é uma área de solução de problemas? Provavelmente muitas, não é mesmo? Mas se isso é uma verdade – e nós acreditamos que seja – a inclusão deve ser uma das prioridades, concorda? Afinal, garantir e encorajar a participação política, econômica, social e cultural de pessoas que não têm acesso a esses processos é, sem dúvidas, um dos temas mais relevantes nos dias de hoje.

E se pararmos para pensar, esse é um assunto que, de fato, merece bastante atenção entre os designers. Primeiro, porque o design pode ser uma ótima ferramenta para tornar o mundo cada vez mais inclusivo – adaptando embalagens, ambientes e roupas, por exemplo. Segundo, porque em um cenário onde os consumidores estão cada vez mais preocupados com questões sociais, a inclusão não é só uma tendência, mas um pré-requisito para as marcas. E os motivos não param por aí.

A inclusão também é fundamental, porque pode ser uma ótima fonte de inovação para o design. E quem afirma isso é ninguém menos que a diretora de Design UX da Google, Kat Holmes. Segundo ela, pensar o design como uma ferramenta de inclusão, além de ser extremamente necessário, é um processo que impulsiona a criatividade na direção de melhores soluções para o mundo.

Por que mais inclusão?

Holmes, que é autora do livro Mismatch: how inclusion shapes design (“Incompatibilidade: como a inclusão dá forma ao design”, em português), afirma que durante o processo criativo é bastante comum que os designers não levem em consideração a grande variedade de possíveis usuários. É o caso, por exemplo, das pessoas com deficiência. Só para se ter uma ideia, aproximadamente 1 bilhão de pessoas possui algum tipo de deficiência – o que corresponde a 1 em cada 7 pessoas!

Números como esses deixam bem clara a necessidade de garantir a participação desse público. Afinal, estamos falando de 15% da população que, simplesmente, não podem ser ignorados. Segundo Holmes, os designers precisam pensar em várias soluções para que mais produtos e serviços sejam “compatíveis” com os diferentes tipos de habilidade e capacidade das pessoas.

Design inclusivo = mais inovação

Além da questão da inclusão como necessidade, a autora afirma que pensar a acessibilidade é uma forma de garantir mais inovação para o design. E ela cita os controles de videogame como exemplo.

Até pouco tempo atrás, todos os equipamentos disponíveis no mercado eram projetados para serem usados com as duas mãos – o que ela chama de “predisposição de habilidade”, ou seja, a falsa impressão de que todos desfrutam das mesmas capacidades físicas. Para resolver esse problema, era preciso criar uma nova maneira de jogar videogames, desenvolvendo um controle que fosse mais inclusivo. Era preciso inovar, portanto!

Soluções como dispositivos por comando de voz ou por movimentação dos olhos foram encontradas, ajudando a inclusão de novos usuários e a evolução dos próprios jogos. A Microsoft, por exemplo, lançou o Adaptative Controler do Xbox One, um controle que permite que pessoas com deficiência executem movimentos complexos que os videogames, geralmente, exigem.

Design de inovação

Quando o design não é pensado para diferentes necessidades – como era o caso dos videogames –, é como se os produtos transmitissem a seguinte mensagem: “nós fomos feitos para certas pessoas, e não para todas”. Por isso, é fundamental que os profissionais estejam sempre dispostos a pensar em maneiras de reduzir os problemas de interação das pessoas com os objetos. Afinal, esse é um trabalho que faz toda a diferença para o mundo e, ainda por cima, impulsiona soluções criativas.

Pensando no setor de embalagens, como elas podem ser mais acessíveis? Será que as caixas que determinada empresa produz são fáceis de serem abertas por pessoas idosas ou com artrite? Será que algum tipo de identificação em braile em latas facilitaria a vida de deficientes visuais? Será que os frascos nas gôndolas podem ter letras um pouco maiores para deixar a leitura mais simples? Todos esses questionamentos são válidos e atuais.

A ideia é que os designers se perguntem mais vezes quem eles estão excluindo da experiência, quais pessoas não vão ter acesso ao que foi criado e quais vozes não estão participando do desenvolvimento. A partir disso, eles poderão repensar todo o processo de criação. E assim, serão obrigados a enfrentar novos desafios e experimentar novos caminhos – o que aumenta as possibilidades de um resultado ainda mais inovador.